Política

Lockdown e o Governo rumo ao abismo

1.16Kviews

Os rumos sombrios adotados pelo Governo do Estado de Rondônia reforçam um arrependimento, ainda que ineficaz, em parte da população.

Os rondonienses notam, portanto, a inércia dos administradores estaduais em executar políticas públicas para garantir tudo o que foi apregoado nas promessas politiqueiras das últimas eleições, mas as divergências no combate a pandemia evidenciam, para parte da sociedade, que Marcos Rocha está longe de ser considerado um exemplo aos outros governantes.

Posso até reputar como verdade a sua intenção em manter um governo sem as máculas da corrupção, contudo a inércia, como é sentido pela própria população, pode ser até pior que desvios de conduta e recurso, e exemplifico:

Ter um remédio eventualmente superfaturado, ainda que seja uma prática nociva, desonrosa e espúria, é melhor que não ter a oportunidade de consumi-lo e morrer pela sua ausência, já que os malfeitores poderão pagar pelo feito, enquanto a inércia jamais será recuperada.

Estamos há 3 meses convivendo com um vírus silencioso e que maltrata nossa população. Em outro lado as providências para garantir o atendimento digno ao contribuinte não chegaram a contento. Decreta-se em Porto Velho, então, um lockdown, que Rocha prefere chamar de isolamento restrito.

Comércios que outrora foram minimamente afetados pela mesma pandemia continuam abertos, já os outros massacrados, são obrigados a fechar o comércio por mais 8 dias. A título de informação, o período de incubação até a manifestação dos primeiros sintomas do Sars-Cov-2 ou popularmente Covid-19 é de aproximadamente 5 dias.

Repiso: três longos meses se passaram até que ficasse evidenciado a falta de leitos de Unidade de Tratamento Intensivo, aquela mesma já prevista a partir das expedições de Rondon por esses lados.

De todas as atitudes precipitadas a compra do hospital Regina Pacis evidencia a ausência de planejamento e análise de cenários. Entre a compra do hospital até a data atual há o lapso de aproximadamente 20 dias, tempo suficiente para inauguração de dois novos hospitais ao ritmo chinês, e lá existe uma diferença que reforça a incompetência estadual: lá é construção, por aqui adaptação.

Marcos, siamês de Bolsonaro, parece se revoltar contra o corpo que lhe garantiu o sustento até então, tomando atitudes similares ao Estado mais populoso do país, São Paulo.

Sem rumo, sem lenço e sem documento, temos, aparentemente, um verdadeiro rumo: o abismo.

Imagem extraída de Sintero.org.br. Texto: Renan Barbosa – BEL em Direito pela Faculdade de Rondônia e pós graduando em direito, inovação e Start ups.

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com